Austroraptor: ladrão de dinossauro

Austroraptor: ladrão de dinossauro
Nome: Austroraptor
Dieta: Carnívora
Peso: 400 quilos
Período: Cretácico Tardío
Encontrado em: Argentina

O gênero Austroraptor incorporou uma série de espécies de dinossauros saurischia terópodes dromaeosauridae que viveram durante o Período Cretáceo. Como dromaeosauridae, se caracterizavam por um corpo ágil e com uma garra em forma de foice em suas extremidades posteriores.

O Austroraptor media cerca de 6 metros de comprimento, um metro e meio de altura, chegando a medir até 2 metros, e contava com um peso de 400 kg. Apesar das reduzidas dimensões (em comparação com a média dos dinossauros) é um dinossauro dromeosáurido maior do que foi encontrado.

Se você estiver interessado em obter mais informações sobre o Austroraptor… nesta página você vai aprender tudo sobre este dinossauro carnívoro do jurássico superior e cretáceo.

Informação básica sobre o Austroraptor

O Austroraptor era um exemplar muito grande dentro de dinossauros de sua família. Ainda assim, as barragens que dava caça costumavam ser de maior tamanho e, por isso, a necessidade de atacar em grupos.

Pelo que se sabe, era um animal bastante ousado, mas antes de explicar ao pormenor as suas características, vejamos a informação básica sobre este dromeosáurido.

Quanto mede de comprimento? – Tem de comprimento mais ou menos 6 metros.
Qual é a sua altura? – Entre 1 metro e meio e 2 metros.
Qual é o seu peso? – Peso aproximado do Austroraptor é de apenas (quando comparada com outros dinossauros) de 400 kg.
Quando viveu? – Habitou a Terra há mais ou menos 70 milhões de anos.
Qual é a sua família? – A família do Austroraptor é a Dromeosauridae.

A taxonomia do Austroraptor

Reino Animalia > Filo Chordata > Grupo Dinosauria > Ordem Saurischia > Subordem Terópoda > Infraordem Coelusauria > Família Dromeosauridae > Subfamília Unenlaglinae > Gênero Austroraptor

Atualmente só foi descoberto uma única espécie deste gênero, o Austroraptor cabazai. Em um futuro não se descarta que possam encontrar mais exemplares deste gênero, em tal caso, atualizaremos esta informação.

A família Dromeosauridae

Os Austroraptors pertencem à família dromaeosauridae e foi classificado dentro dela devido a que compartilha a maioria de suas características (morfologia).

Por esta razão, é conveniente saber um pouco mais sobre os dromaeosauridae antes de entrar em mais detalhes sobre os traços dos Austroraptor.

As aves atuais guardam uma estreita relação com esta família de dinossauros. De fato, pode-se considerar os dromaeosauridae como gigantes ancestrais das aves.

É por isso que surgiram várias teorias sobre o que as aves poderiam ter estado presentes na era dos dinossauros. Agora vamos falar um pouco mais sobre os traços característicos desta família.

Este grupo de dinossauros não apenas tem as suas próprias características que os diferenciam de outros, mas que também pertencem e adotam as características de um grupo maior, os terópodes.

A família dromaeosauridae é apenas uma família dentro da Subordem Terópoda que engloba diversas famílias.

Adotam algumas características básicas dos terópodes, como o distintivo pescoço longo e curvado em forma de “S” e um corpo relativamente curto em comparação a sua cauda e cabeça.

Em dromaeosauridae se pode apreciar um crânio relativamente grande. Possuem dentes em forma de serra, com os que podem morder e se alimentar de outros dinossauros.

O focinho deste animal era bastante estreito e seus olhos olhavam fixamente para a frente, limitando o seu ângulo de visão.

Os dromaeosauridae tinham quatro pontas, e ao contrário de muitos outros dinossauros, só precisavam de duas delas para caminhar; eram animais bípedes.

Além disso, algo que só eles podiam fazer, dobre os membros superiores (braços) e flexionarlas de forma que ficassem unidas ao corpo. Tinham umas mãos realmente grandes com relação ao resto de seu corpo e elas tinham três dedos longos.

O dedo mais longo era o do meio, enquanto que o primeiro era o mais curto. Os três dedos tinham umas grandes garras que podiam despedaçar suas presas.

As partes púbicas deste animal saindo de seu corpo, na parte onde estão seus quadris unindo-se a base de sua cauda.

As filas de dromaeosauridae eram muito longas e finas. Quase toda a fila tinha vértebras ósseas com extensões em forma de haste e de tendões ósseos, isso sim, careciam totalmente de espinhos neurais.

Isso se traduz em uma fila bastante rígida e que a única forma que tinham de mover a cauda era obrigado a base. É dizer, a sua cauda permanecia completamente imóvel e se articulava por parte de união entre esta e o corpo.

Voltando ao assunto de suas pernas, como bem se referiu eram dinossauros bípedes (usando as patas traseiras). O característico desta família de dinossauros, é que não apoiavam toda a sua perna para andar.

Ao andar, todo o peso recaía no terceiro e no quarto dedo, enquanto que o segundo dedo possuía uma garra em forma de foice com o que teria agarrado e despedaçado suas presas.

A relação com as aves não é apenas por tudo que foi descrito até agora, mas também há que destacar que os dromaeosauridae eram cobertos de penas.

Sim, alguns deles contavam com penas longas e outros com penas curtas. Se atualmente existissem esses dinossauros poderiam ser um pouco maiores (aves gigantes), mas com relação a seus contempóraneos eram realmente pequenos, com uma altura aproximada de um metro e meio.

Por que chamaram dromaeosauridae?

Geralmente são usados com a morfologia dental dos dinossauros para estabelecer o seu nome. Isso se dá, em muitos casos, embora, obviamente, não há nenhuma obrigação de fazê-lo bem. Também foi usado para adicionar o sufixo saurus devido ao grande semelhança dos dinossauros com os lagartos.

No caso dos dromaeosauridae o que lhes dá nome, é a sua alta velocidade.

Barnum Brown e William Diller Mateus foram os responsáveis pelo seu nome. Isso aconteceu em 1922 e, em princípio, se colocou como uma subfamília da família Deinodontinae. Atualmente se estabeleceu como uma família à parte dos deinodóntidos.

A palavra Dromeosauridae tem sua origem em duas palavras gregas. A palavra dromeus significa corredor e saurus significaria lagarto.

O significado em si de seu nome viria a ser lagartos corredores, mesmo que com freqüência são denominados como lagartos, aves de rapina.

Descrição geral sobre os Austroraptors

O que realmente caracteriza o gênero Austroraptors com o resto de dromaeosauridae é o grande tamanho que tinha. Possuía um tamanho grande para pertencer a essa família.

A única espécie conhecida, Austroraptor cabazai, medindo da cabeça à cauda de cerca de 5 metros de forma aproximada.

A cabeça daquela espécie tinha uma forma bastante peculiar. O crânio que possuía era bastante alongado, mas não apenas em altura. Desde o pico-a-alto da cabeça, o crânio mediría cerca de 80 centímetros, muito mais do que os outros gêneros de sua família.

Ainda assim, a semelhança com seus cofamiliares era inegável, especialmente tem grandes traços em comum com o troodóntido mesmo nome.

Esta espécie de dinossauro possuía uma muito estranha morfologia das falanges, onde tinha uma quase duas vezes mais longo que as outras, e com uma largura que superava três vezes a esperada.

Além disso, possuíam cerca de braços curtos em comparação ao resto de dromaeosauridae. Também acontece com seus braços, que são mais curtos e mais semelhantes aos de um T-rex.

Fazendo jus ao nome inoficial de sua família “aves gigantes”, o Austroraptor tinha um focinho muito longo. Os dentes que tinha eram algo pequenos e tinham uma forma cónica.

A forma de seus dentes guardam uma estreita relação com os espinosáuridos.

Traços mais técnicos sobre o Austroraptor

Comprimento de seus braços, não é tudo o que tem de diferente em relação aos outros dromaeosauridae. Possuía um canto interior do olho com forma redonda, com o processo descendente inclinado e curvado para o rotal e o processo caudal saía horizontalmente sobre a órbita (isso o diferenciava dos dromaeosauridae que habitavam em Laurásia).

Em seu orbital falta o processo dorsomedial para favorecer a articulação com a frente, e o processo escamoso é reduzido extremamente fazendo isso outra característica única.

Os dentes dentários e maxiliares são mais pequenos e cônicos, sem o correspondente beira serra que têm os outros para rasgar a carne (um exemplo muito mais claro seria o Buitreraptor).

Sua úmero é bastante curto, medindo pouco menos de 50% do tamanho do comprimento do fêmur, e tem uma relação menor, quando comparada com o resto de dinossauros de sua família.

Sua segunda falange do pedal é transversal estreita, situando-se em contraste com a robusta falange IV-2, coisa que o diferencia dos outros gêneros dentro da família dromaeosauridae.

Por que se chamou Austroraptor?

A história de seu nome é o menos interessante. Ao contrário de outros nomes de dinossauros, seu nome não foi colocado explicitamente pela morfologia de seus dentes, nem por alguma qualidade ou característica especial. A causa de seu nome é muito mais simples do que isso.

Foi nomeado e descrito no ano de 2008 por um grupo de pesquisadores (Diego Pol, Emilio Fernando Novas, João Porfiri e Jorge Calvo. Austroraptor viria a significar “ladrão do sul”.

Vem das palavras auster (latim) que significa vento do sul (austral) e a palavra-americana raptor que significa ladrão. A intenção e o significado de seu nome é indicar que se encontrou na América do Sul.

O nome da espécie de Austroraptor é em homenagem ao fundador do Museu Municipal de Lamarque. O fundador se chamava Heitor Abóbora, daí que sai o nome da espécie cabazai.

Um nobre gesto por parte dos paleontólogos para prestar homenagem ao museu, que colaborou com a pesquisa.

Alguns detalhes e curiosidades sobre os Austroraptor

As duas patas traseiras que usavam para andar, são realmente muito semelhantes às que tem uma galinha atual. É mais, poderiam ter dado passos semelhantes às que dá a galinha. Outra razão mais do que argumenta a possível relação entre os dromaeosauridae (Austroraptor) com as aves atuais (galinha).

De acordo com suas características, suspeita-se que não poderiam ter utilizado seus braços para voar. Devido ao tamanho do corpo e de seus membros, não poderia ter suportado o peso nem para planejar, e pensa-se que teriam sido usado mais para correr de forma mais aerodinâmica.

O Austroraptor é o último registro existente de dinossauros dromaeosauridae na região de Gondwana. Conseguiu aumentar as diferenças morfológicas dentro dos dinossauros Unenlagiinidos (a família a que pertence, dentro dos dromaeosauridae).

Os restos deste exemplar pode ser encontrado no Museu Municipal de Lamarque, que está na Argentina. Se gostaria de ver os ossos deste espetacular dinossauro, o Museu de Lamarque é o único lugar onde você pode encontrar você com seus restos mortais.

Em que época viveu o Austroraptor?

O Austroraptor cabazai é uma das milhares e milhares de espécies que chegaram a existir na Terra e que foram extintas. Por sorte, não desapareceram completamente e deixaram seus restos fósseis.

Graças às investigações dos paleontólogos, pouco a pouco, podemos descobrir mais sobre o passado do nosso planeta e todas as espécies que viu habitar.

Mas, atualmente, já extintos, os dinossauros chegaram a habitar o planeta durante milhões de anos. Foram encontradas muitas espécies de dinossauros e isso sem contar os que ainda faltam para encontrar e que jamais se acharão, porque os seus restos deixaram de existir.

Dentro de todos eles, o Austroraptor é um dos dinossauros mais próximos de nossos tempos que habitaram a Terra.

De acordo com os estudos e a localização de seus restos nas camadas estratográficas, o Austroraptor cabazai habitou no plante há cerca de 70 milhões de anos.

A existência deste dinossauro foi relativamente curta, devido à grande extinção que ocorreu há 66 milhões de anos. Este período de tempo corresponde com o Cretáceo Tardio Notícia.

A Idade Maastrichtiana é a última etapa dentro da Época Superior, do Período Cretáceo e também da Era Mesozóica. A Idade Maastrichtiana, marcou o fim da Era Mesozoica, também conhecida como a era dos dinossauros.

Por que se extinguiram os Austroraptor?

A causa da extinção dos Austroraptors é a mesma que a de 75% de espécies que havia na época; a grande extinção do Cretáceo-Paleogeno.

Não se sabe a razão específica pela qual, de repente, desapareceram tantas espécies, embora a teoria mais aceita é a de que um asteróide de aproximadamente 10km de largura e colidiu com o planeta.

Os Austroraptor não teriam suportado o impacto desse meteorito que resultou na sua extinção como a de muitos outros seres vivos.

O em que parte do mundo habitou?

A área em que habitou esta espécie de dinossauro é inferido com base na situação dos restos mortais do animal. É encontrado na América do Sul, especificamente viveu a área Argentina.

É possível que esta espécie e/ou gênero tenha habitado mais áreas do continente, mas é algo que ainda está por comprovar.

No Cretáceo Superior, da área de Argentina estava cheia de florestas e árvores de que se alimentavam os Saltasaurus e os Rocasaurus.

Estes teriam sido presas e teriam sofrido as emboscadas típicas dos Austroraptor.

O De que se alimentavam os Austroraptors?

O De que se alimentavam os Austroraptors

Ao longo do texto fomos explicando que este era um dinossauro predador. Os Austroraptor eram uns animais carnívoros que se alimentavam de outros animais e dinossauros com os que habitava.

O pequeno tamanho que possuem em relação aos outros dinossauros é provavelmente uma das razões por que, em seu processo evolutivo acabasen carnívoros.

Sua baixa estatura não lhes teria permitido alcançar alimentos e tiveram que procurar outra forma de alimentar-se, neste caso, alimentando-se de outros animais.

Devido ao seu reduzido tamanho, não eram capazes de lidar sozinhos com os grandes dinossauros hervíboros. Para isso, se reuniam em grupos de dois ou três e atacaram a mesma presa em emboscadas.

Utilizavam suas grandes garras e seus dentes afiados para ferir e matar as presas com a finalidade de comérselas.

Em seu habitat natural teria se encontrado com dinossauros como: titanosáuridos, Rocasaurus e Saltasaurus.

Quem descobriu a este dinossauro bípede?

O holótipo MML-195 é uma das duas únicas amostras de restos de Austroraptor que existem. Ainda não se encontraram mais vestígios desta espécie e gênero de dinossauros.

Se recuperou na Formação Allen no Rio Negro, situado na localidade de Baixo de Santa Rosa, na Argentina.

A descoberta do fóssil feita em 2002 e ficou a cargo da equipe de exploração de Fernando Emilio Novas, pertencente ao Museu Argentino de Ciências Naturais.

Nestas amostras encontra-se o esqueleto de forma parcial e o crânio do animal.

No ano de 2008, achou o segundo espécime do Austroraptor cabazai. Ariana Paulina-Carbajal e Phil Curie fazem referência a esse espécime no ano de 2012, nomeada como MML-220.

Nesta mostra estão um esqueleto parcial e um crânio mais pequeno do que o primeiro. O bom desses restos é que se complementam com os restantes do primeiro e com ele pode-se determinar melhor a mão, o pé e a parte inferior do braço.

Esperamos que tenham gostado com a informação apresentada nesta página. Se acha que falta algum dado sobre o Austroraptor, estamos felizes em saber. Além disso, se você tem alguma dúvida, sugestão ou contribuição, não hesite em deixar-nos saber.